EQUIPA DE DIRECÇÃO

Filipe Quaresma
Lisboa, 1979.
Licenciado em Artes Plásticas. Desenvolve desde cedo uma relação estreita com o desenho, a pintura e a ilustração. Tem vindo a trabalhar em diferentes estruturas e projetos relacionados com as artes de palco (música, teatro, dança, performance) e cinema nas áreas da produção, iluminação, cenografia e som.
Junta-se em 2011 à equipa que cria nesse mesmo ano a stress.fm. Desde então, tem vindo a trabalhar na produção, gestão de conteúdos (rádio) e no design gráfico desta estrutura.
Cria pontualmente peças radiofónicas a partir de registos de narrativas biográficas feitas com inúmeros artistas nacionais e internacionais. Tem co-produzido inúmeros projetos e eventos (Multidão, Acesso/Fronteira, Redes, etc), em que a stress.fm procura questionar, em diferentes contextos, o papel da rádio na atualidade.
Nuno Torres
Lisboa, 1977.
Músico com um percurso na pesquisa do saxofone, com foco na exploração de uma ampla gama de material sonoro através da utilização de técnicas extensivas.
Participa em diversos ensembles na área da música improvisada, experimental e reducionismo. Colabora entre outros com Ernesto Rodrigues, Ricardo Jacinto, Sei Miguel, João Castro Pinto, Rafael Toral, Manuel Mota, David Stackenäs, Wade Matthews, Axel Dörner, Alexander Frangenheim, Rodrigo Pinheiro, Carlos Santos, Diogo Alvim, Cyril Bondi, D'incise, Adriana Sá, Mike Bullock, C Spencer Yeh, Shiori Usui.
Cooperou com diversos projetos, cruzando áreas como o teatro, a dança e as artes plásticas (PARQUE, Les Voisins, Eye Height).
Colaborou com várias iniciativas de rádio (stress.fm, c.e.m, CPAI e Festival RadiaLx).
Foi membro da direção artística do projecto ECOS/ECHOES (2013/14) promovida pela OSSO, financiado pela DGArtes.
Discografia: VGO-Stills (CS/2007); VGO-Live in Casa da Música (2008); Cacto (Vera Cortês Art A./2009); Wounds of light (CS/2010); Suspensão (CS/2011); Brume (CS/2011); IKB-Monochrome bleu sans titre (CS/2012); Pinkdraft (CS/2012); Pedra Contida-Xisto (JACC/2013); IKB-Anthropométrie Sans Titre (CS/2013); Parque (Shhpuma/2013); Asteres Planetai (CS/2013); Primary Envelopment (CS/2014); Zweimalzwei (CS/2014); Sei Miguel-Salvation Modes (Clean Feed/2014); IKB-Rhinocerus (CS/2014); Nor (CS/2014); IKB-Dracaena Draco (CS/2015); Mizutekiteki| (CS/2015); Jadis la Pluie était Bleue (CS/2015); Surfaces (CS/2015).

EQUIPA ARTÍSTICA

Cláudio Rego | Designer de software
Lisboa, 1970.
Cursou Técnicas de Multimedia Aplicadas ao Design na Rumos em 1992.
Modelou, animou e fez render 3D na Neurónio nos anos 90.
Desde o milénio, desenhou e desenvolveu para a web para portais noticiosos como Expresso, Blitz, TSF, Record, DN, JN, cliente e servidor, e aplicações móveis, iOS e Android, bem como um sistema de recolha e análise semântica/contextual/social de conteúdos noticiosos.
Entretanto, desenvolveu um sampler áudio multipistas em PureData que utilizou na performance sonora "un/present", com Pedro Filipe, ao vivo na exposição Bloom - Arte e Paisagem, em Barcarena em 2005.
Desenvolveu um sistema de projecção vídeo multicanal sincronizado via rede para a apresentação pública do vídeo "long piece", de Luísa Baeta, na exposição 6749/010.013 na Plataforma Revólver, em Lisboa, em 2013.
Ao mesmo tempo, experimenta com software e hardware em áreas como áudio, vídeo, interacção homem/máquina e interacção máquina/ambiente.
Colabora com a rádio stress.fm em vários projectos e experiências desde 2015.
Gustavo Costa | Músico
Porto, 1976.
Iniciou os seus estudos musicais em 1989 na Escola de Jazz do Porto. Concluiu o curso de percussão na Escola Profissional de Música de Espinho, a licenciatura em Produção e Tecnologias da Música e o mestrado em Composição e Teoria Musical na Esmae (Porto). Concluiu ainda o curso de um ano de Sonologia no Conservatório Real de Haia. Frequenta atualmente o programa doutoral em Media Digitais, na FEUP, Porto, sendo bolseiro da FCT. Como músico, tocou com Damo Suzuki, Steve Mackay, John Zorn´s Cobra, Christian Wolff, Três Tristes Tigres, Jamie Saft, Mark Stewart, Alfred Harth, Margareth Kammerer, Martin Brandlmeyer,entre muitos outros. Tem-se apresentado regularmente em toda a Europa, Estados Unidos, Japão, Brasil e Líbano, tendo o seu trabalho editado em várias editoras discográficas. Fez música para dança (Untraceable Patterns, de Né Barros), teatro (Qual é coisa, qual é sombra?, do Visões Úteis), cinema (Triângulo Dourado, de Miguel Clara Vasconcelos) e inúmeros projetos interdisciplinares (Concerto X, para orquestra, grupo de improvisadores e vídeo para a Guimarães CEC e Memória, Suspensão, Matéria, a partir da obra de Alvin Lucier, com Pedro Tudela e Jonathan Saldanha). Obteve também o 1ºprémio no concurso de composição electroacústica Música Viva 2000,promovido pela Miso Music. Foi professor no curso de composição da Esmae, no Porto (2005 - 2011) e no curso de Música Electrónica e Produção Musical, na Esart, em Castelo Branco (2006 - 2012).
Henrique Fernandes | Músico
Iniciou os seus estudos musicais no ano de 1992 na Escola Profissional e Artística do Vale do Ave, na classe de contrabaixo do Prof. Alexander Samardjiev, tendo concluído em 2005 o curso superior de música, na especialidade de Contrabaixo na Escola Superior de Música e Artes do espectáculo do Porto, na classe do Prof. Florian Petzborn. Paralelamente ao universo da música erudita, integra diversos projectos da música experimental, tais como: Mécanosphère, Lost Gorbachevs, N.O.F.P, Osso Vaidoso,Two white monsters around a round table, Sektor 304, Stealing Orquestra, Estilhaços,radial chao opera, Srosh ensemble, Space ensemble, entre outros. Tocou com Damo Suzuki, Steve Mackay, John Zorn Cobra (dirigido por John Zorn), Três Tristes Tigres, Mark Stewart, Alfred Harth, Fritz Hauser, Adolfo Luxúria Canibal, Matt rogalsky, Hanna Hartmann entre muitos outros. Tem tocado regularmente em toda a Europa. Nos últimos anos tem desenvolvido algum trabalho nas áreas da educação e construção de instrumentos musicais e objectos sonoros que utiliza em diversos projectos musicais ou workshops na área da criatividade musical. Mantém uma colaboração regular neste campo, com diversas instituições tais como: Companhia de música teatral, Centro Cultural Vila flor, Fabrica das artes-CCB, Comédias do Minho entre outras.
Hugo Martiniano | Designer de software
Lisboa, 1978.
Licenciatura em Química, ramo científico (Universidade de Lisboa, 2006). Doutoramento em Química, especialidade de Química-Física (Universidade de Lisboa, 2013). Investigador na área de química computacional/química teórica. Especializado em desenvolvimento, implementação e aplicação de métodos de simulação de propriedades electrónicas de sistemas moleculares em fase condensada.
Experiência em computação científica de alta performance, montagem e administração de sistemas de computação distribuída e em paralelo, programação (linguagens: Fortran 70/90/95, Perl, Python, JavaScript, Haskell), aplicação de algoritmos de cálculo numérico e inteligência artificial/aprendizagem automática. Seis artigos publicados em revistas científicas indexadas e um capítulo de um livro (http://www.researchgate.net/profile/Hugo_Martiniano).
Bolsa Doutoramento da Fundação para a ciência e tecnologia (2007-2011), Bolseiro de investigação em dois projectos científicos (2011-2012 e 2014).
Colaboração (desde 2009) como docente do curso de Engenharia de Petróleos do Instituto Piaget (cadeiras leccionadas: Computação e Programação, Fundamentos de Matemática Computacional, Métodos de Análise Numérica, Simulação e Optimização de Processos, Química Inorgânica e Métodos Analíticos).
Colaborador da rádio stress.fm (desde 2013): experimentação com hardware (raspberry pi/arduíno/ redes wireless) e software (interfaces web).
Experiência em utilização de software de música gerada algoritmicamente.
João Bastos | Músico / Artista sonoro
Compositor, sonoplasta, músico (com especialização em bateria), e técnico de som. Inicia a sua experiência profissional na área Técnica e Logística no Cineteatro Curvo Semedo em Montemor-o-Novo, integrando a sua equipa de som desde 1998 a 2003 e tendo a cargo a coordenação, montagens e assistência técnica de espectáculos de dança, música e teatro. É membro da direcção da Associação de Arte e Comunicação Oficinas do Convento, sediada em Montemor-o-Novo, desde 2006. Membro do colectivo diu3Estu. É formado em Música – Jazz na Escola de Jazz do Barreiro. Desde 2000 trabalha na área da composição musical e sonora, relacionando-se com as artes do espectáculo, artistas plásticos, vídeo e cinema.
João Sofio | Músico / Artista sonoro
...
Nuno Torres | Músico
Lisboa, 1977.
Músico com um percurso na pesquisa do saxofone, com foco na exploração de uma ampla gama de material sonoro através da utilização de técnicas extensivas.
Participa em diversos ensembles na área da música improvisada, experimental e reducionismo. Colabora entre outros com Ernesto Rodrigues, Ricardo Jacinto, Sei Miguel, João Castro Pinto, Rafael Toral, Manuel Mota, David Stackenäs, Wade Matthews, Axel Dörner, Alexander Frangenheim, Rodrigo Pinheiro, Carlos Santos, Diogo Alvim, Cyril Bondi, D'incise, Adriana Sá, Mike Bullock, C Spencer Yeh, Shiori Usui.
Cooperou com diversos projetos, cruzando áreas como o teatro, a dança e as artes plásticas (PARQUE, Les Voisins, Eye Height).
Colaborou com várias iniciativas de rádio (stress.fm, c.e.m, CPAI e Festival RadiaLx).
Foi membro da direção artística do projecto ECOS/ECHOES (2013/14) promovida pela OSSO, financiado pela DGArtes.
Discografia: VGO-Stills (CS/2007); VGO-Live in Casa da Música (2008); Cacto (Vera Cortês Art A./2009); Wounds of light (CS/2010); Suspensão (CS/2011); Brume (CS/2011); IKB-Monochrome bleu sans titre (CS/2012); Pinkdraft (CS/2012); Pedra Contida-Xisto (JACC/2013); IKB-Anthropométrie Sans Titre (CS/2013); Parque (Shhpuma/2013); Asteres Planetai (CS/2013); Primary Envelopment (CS/2014); Zweimalzwei (CS/2014); Sei Miguel-Salvation Modes (Clean Feed/2014); IKB-Rhinocerus (CS/2014); Nor (CS/2014); IKB-Dracaena Draco (CS/2015); Mizutekiteki| (CS/2015); Jadis la Pluie était Bleue (CS/2015); Surfaces (CS/2015).
Ricardo Jacinto | Músico
Lisboa, 1975.
Artista sonoro e músico/compositor/improvisador concentrando-se principalmente na relação entre som e espaço. É atualmente investigador no Sonic Arts Research Center, Belfast, a realizar doutoramento.
Apresentou o seu trabalho em diversas exposições individuais e coletivas como: Project Room CCB_Lisboa, Círculo de Belas Artes_Madrid, MUDAM_Luxemburgo , Centro Cultural Gulbenkian_Paris , Manifesta 08_European Bienal de Arte Contemporânea de Itália, Loraine Frac-Metz, OK CENTRE_Linz_Austria , CHIADO 8_Culturgest_Lisbon, Casa da Música_Porto e Bienal de Arquitetura de Veneza de 2006.
Como violoncelista tem trabalhado essencialmente no campo da música improvisada com vários músicos (Nuno Torres, Rodrigo Pinheiro, David Maranha, Hernani Faustino, Ernesto Rodrigues, Luis Lopes, Ricardo Guerreiro, C Spencer Yeh, Shiori Usui, Manuel Mota, Pedro Rebelo, Franziska Schroeder, Simon Rose, Paul Stapletton, Jean Luc-Guionnet, Gabriel Ferrandini) . Como músico-performer actuou em diversos locais como: Fundação de Serralves / Porto, Palais Tokyo / Paris, SARC / Belfast, Festival VERBO / São Paulo, Festival Temps d' Images_Lisbon, Festival Rescaldo_Lisbon , Festival BigBang_CCB_Lisbon, Culturgest_Porto e Lisboa, ZDB / Lisboa, Dança Base_Edimbrugh, Kabinett 0047_Oslo, Fundação Calouste Gulbenkian / Paris.
Discografia: "Earworm versions"_PARQUE: Shhpuma; "2010"_PINKDRAFT: CS; "Suíte para Disklavier e Voz ": The Mews Project Space.; "CACTO": A. de Arte Vera Cortês.
Rodolfo Pimenta | Artista sonoro
Sintra, 1979.
Inicia o seu trabalho artístico em 1998 com a realização de filmes experimentais, documentários e vídeo-instalações. Criou, no ano 2000, o Colectivo Fotograma 24 - Laboratório Itinerante de Cinema de Animação para a Alfabetização Visual, projecto premiado internacionalmente que visa a educação artística de crianças e jovens, através da realização de curtas metragens animadas. Em 2008 integra o projecto Canal Zero - Concerto para maquinaria e estados líquidos, onde cria imagens em tempo real e usa-as como instrumento visual e sonoro. Em 2009/10 realiza o documentário Wolfram, a saliva do lobo filmado nas Minas da Panasqueira. Desde 2012, é membro do colectivo Dio3Stu um laboratório dedicado à criação de instrumentos electrónicos e esculturas sonoras.
Tiago Fróis | Artista sonoro
Nasce em 1978.
Desenvolve a sua actividade entre a Fotografia e as Artes Plásticas. É licenciado em Artes Plásticas e Escultura pela FBAUL; foi assistente do fotógrafo José Manuel Rodrigues e frequentou várias oficinas de fotografia. Colabora em diversas montagens de exposições e em trabalhos de cenografia desde 1998, realizando exposições individuais e colectivas desde 1996. Os seus principais domínios de trabalho e investigação encontram-se no campo da Fotografia, Escultura e nas intervenções no lugar.
É actualmente Presidente da Direcção da Associação Oficinas do Convento, onde exerce funções de Direcção Artística, de Produção e Programação. Programou, enquanto Director Artístico da Associação, eventos como o festival Ananil e o festival Cidade PreOcupada, assim como ciclos de programação associados à criação artística contemporânea, à Paisagem e ao Lugar, em constante relação com o desenvolvimento social integrado da comunidade. Desenvolve investigação plástica e criação de dispositivos sonoros em laboratório no Convento de S. Francisco, bem como colaborações com projectos de outros criadores e de autoria compartida. É membro do colectivo diu3Estu.
Vasco Pita | Designer de software
Lisboa, 1976.
Técnico de hardware e redes informáticas, formador e monitor na mesma área.
Contribui para diferentes associações locais, culturais e recreativas de Lisboa na construção de plataformas digitais para o desenvolvimento das suas acções.
Experiência na impletentação e gestão de plataformas informáticas baseadas em software livre, principalmente em ambiente gnu/linux.
Programador em bash, python, html e javascript.

EQUIPA TÉCNICA

Cláudio Rego | Web Design
Lisboa, 1970.
Cursou Técnicas de Multimedia Aplicadas ao Design na Rumos em 1992.
Modelou, animou e fez render 3D na Neurónio nos anos 90.
Desde o milénio, desenhou e desenvolveu para a web para portais noticiosos como Expresso, Blitz, TSF, Record, DN, JN, cliente e servidor, e aplicações móveis, iOS e Android, bem como um sistema de recolha e análise semântica/contextual/social de conteúdos noticiosos.
Entretanto, desenvolveu um sampler áudio multipistas em PureData que utilizou na performance sonora "un/present", com Pedro Filipe, ao vivo na exposição Bloom - Arte e Paisagem, em Barcarena em 2005.
Desenvolveu um sistema de projecção vídeo multicanal sincronizado via rede para a apresentação pública do vídeo "long piece", de Luísa Baeta, na exposição 6749/010.013 na Plataforma Revólver, em Lisboa, em 2013.
Ao mesmo tempo, experimenta com software e hardware em áreas como áudio, vídeo, interacção homem/máquina e interacção máquina/ambiente.
Colabora com a rádio stress.fm em vários projectos e experiências desde 2015.
Filipe Quaresma | Design Gráfico
Lisboa, 1979.
Licenciado em Artes Plásticas. Desenvolve desde cedo uma relação estreita com o desenho, a pintura e a ilustração. Tem vindo a trabalhar em diferentes estruturas e projetos relacionados com as artes de palco (música, teatro, dança, performance) e cinema nas áreas da produção, iluminação, cenografia e som.
Junta-se em 2011 à equipa que cria nesse mesmo ano a stress.fm. Desde então, tem vindo a trabalhar na produção, gestão de conteúdos (rádio) e no design gráfico desta estrutura.
Cria pontualmente peças radiofónicas a partir de registos de narrativas biográficas feitas com inúmeros artistas nacionais e internacionais. Tem co-produzido inúmeros projetos e eventos (Multidão, Acesso/Fronteira, Redes, etc), em que a stress.fm procura questionar, em diferentes contextos, o papel da rádio na atualidade.
José Alberto Gomes | Consultor
Licenciou-se em Composição na ESMAE. Desenvolve uma actividade regular ligada à performance de música electrónica em projectos individuais e colectivos. Tem também uma relação muito próxima com projectos multidisciplinares (teatro, vídeo, instalações, programação musical...). Está a realizar o doutoramento em Computer Music na UCP. Na Casa da Música está também ligado à concepção de workshops de criação musical em computador, como VOX, Bandas Sonoras em Tempo Real ou Vive La Electronique. Participou em espectáculos como Orquestra Digital, Bayang, ou Bach Be Cue, entre outros.